Caixa Vai Baixar Juros Do Financiamento Imobiliários Em Abril

caixa
A Caixa Econômica Federal vai reduzir ainda neste mês os juros do financiamento imobiliário que utiliza recursos da caderneta de poupança.

O corte, no entanto, não levará o banco a oferecer, novamente, as taxas mais baixas do mercado. “Não podemos botar banca se não tivermos condição”, disse Nelson Antônio de Souza, novo presidente da instituição financeira, em sua primeira entrevista desde que assumiu o comando do banco há uma semana no lugar de Gilberto Occhi, que foi deslocado para o Ministério da Saúde.

O movimento da Caixa de cortar os juros para o financiamento imobiliário vem com atraso em relação aos concorrentes privados que começaram a reduzir as taxas à medida em que o Banco Central cortou a Selic, taxa básica de juros da economia. Entre os maiores bancos do País, a Caixa é o único que ainda cobra juros de dois dígitos no crédito imobiliário.

A redução já estava em estudo na gestão de Occhi, mas foi impulsionada com a recente decisão do BC de diminuir os depósitos compulsórios – dinheiro que os bancos são obrigados a deixar parado no Banco Central, sem poder usar para novos empréstimos, por exemplo. Leia a seguir trechos da entrevista concedida ao Estadão / Broadcast durante o Summit Imobiliário Brasil 2018, evento promovido pelo Grupo Estado.

O senhor tem menos de um ano de gestão no comando da Caixa, considerando que o Governo mude nas próximas eleições. O que dá tempo de fazer?

Primeiro, é dar continuidade ao trabalho que o (Gilberto) Occhi vinha fazendo e que permitiu um lucro considerável ao banco no ano passado, de R$ 12,5 bilhões (no critério ajustado). Mas eu diria que trabalhar em áreas que tenham um balanço social forte, que é o caso da habitação. Vejo também que as PPPs (parcerias público privadas) são outra saída que podemos chegar, mas não sei se teríamos um resultado já em 2018. E sempre colocando esses produtos para setores que gerem emprego e renda. Esse é o foco. Em harmonia com o Conselho de Administração sob o ponto de vista de utilizar uma política de governo sem, contudo, abrir mão da governança e da consistência de resultados econômicos e financeiros da Caixa.

E a redução de juros nas linhas de crédito imobiliário que usam recursos da caderneta de poupança vem quando?

Vamos anunciar o mais breve possível. Nesta semana já não dá mais, mas ainda em abril nós queremos divulgar a nova taxa de juros da Caixa no crédito imobiliário.

A Caixa vai voltar a ter a taxa mais atrativa do mercado?

Eu diria que a Caixa vai ter taxas compatíveis ao mercado. Não gosto muito de dizer que é a menor. Nós só podemos botar banca se tivermos condições.

A mudança nos depósitos compulsórios ajuda o movimento de redução dos juros no crédito imobiliário?

Vai nos dar um fôlego. A mudança no compulsório melhorou a nossa tomada de divisão, mas já vínhamos estudando.

Fonte: Estadão

Minha Casa Minha Vida atinge famílias com renda até R$ 9 mil

Apto Vila Matilde

O sonho da casa própria nunca esteve tão perto e no momento em que a economia mostra sinais de recuperação, o presidente Michel Temer anunciou na tarde desta segunda-feira novas medidas para o Minha Casa Minha Vida que visam o crescimento do setor.

A partir de agora, as famílias com renda mensal de até R$ 9 mil se enquadram no programa habitacional do governo. Antes dessa mudança, na faixa 3, o limite de renda para uma família se enquadrar no Minha Casa Minha Vida era de R$ 6,5 mil por mês.

O governo também ampliou o valor do imóvel para que possam ser comprados no programa. O preço que antes era de R$ 225 mil passa R$ 240 mil em São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Nas capitais do Norte e Nordeste passa de R$ 170 mil para R$ 180 mil.

Todas as faixas do programa sofreram alteração. Confira como ficou:

* Faixa 1: renda familiar máxima continua em R$ 1.800;
* Faixa 1,5: renda familiar máxima passa de R$ 2.350 para R$ 2.600;
* Faixa 2: renda familiar máxima passa de R$ 3.600 para R$ 4.000;
* Faixa 3: renda familiar máxima passa de R$ 6.500 para R$ 9.000.

A medida visa estimular a construção civil, gerar empregos e ampliar o número de famílias com moradias. A expectativa é que a nova fase contrate 600 mil imóveis ainda este ano.

Fonte:
SP Imóvel | http://www.spimovel.com.br

Após queda de 38,3% em 2016, Abecip prevê estabilidade do crédito imobiliário

sao_paulo_aefimoveis

A Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) estima que os financiamentos a imóveis fiquem estáveis em 2017, após dois anos seguidos de retração do segmento, impactado pela crise. A linha que utiliza recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) deve crescer 5% em 2017 ante o exercício anterior, conforme a entidade, enquanto que a que recorre aos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) deve encolher 1,5%, na mesma base de comparação.

SAIBA MAIS
FipeZap: Aluguel residencial no Brasil tem queda real de quase 9% em 2016
Dúvida sobre cálculo de devolução emperra regulamentação de distratos de imóveis
Saiba quem poderá sacar o dinheiro do FGTS
25 frases de Albert Einstein que ajudam a compreender sua mente revolucionária
7 hábitos diários que acabam com sua produtividade e sucesso
Somadas, as linhas de FGTS, que sofreu menos com a crise, e SBPE devem alcançar R$ 112 bilhões em 2017, ante cerca de R$ 111 bilhões no ano passado. Em 2015, totalizaram R$ 129 bilhões e em 2014, R$ 157 bilhões.

No ano passado, os financiamentos que usam recursos das cadernetas de poupança somaram R$ 46,6 bilhões, montante 38,3% menor do que o registrado em 2015, de cerca de R$ 76 bilhões. Já o volume de unidades financiadas somou 199,7 mil imóveis em 2016, declínio de 41,5% ante 2015, quando foram registrados 341,5 mil unidades.

“O ano começou totalmente diferente, com os juros no longo prazo mais baixos. Os bancos já estão pagando menos para captar”, avalia o presidente da Abecip, Gilberto Duarte de Abreu.Em dezembro, a tônica do financiamento imobiliário já foi outra. Foi o melhor resultado mensal de 2016, ao totalizar R$ 5,38 bilhões, montante 35,2% maior ante novembro. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, foi identificado aumento de 12,9%. No último mês do ano, foram financiados 20,4 mil imóveis para aquisição e construção, alta de 35,2% em relação a novembro (15,1 mil unidades). Em 12 meses, porém, houve queda de 6,8%.

O presidente da Abecip lembrou que o setor da construção foi um dos mais impactados pela crise e que o recuo do crédito imobiliário pesou no desempenho do segmento. Ponderou, contudo, que a queda dos juros contribui para o desempenho da poupança, que já encerrou 2016 em melhores condições. No ano passado, o saldo da caderneta subiu 1,3%, contra queda de 3% em 2015.

“Parece que já passamos pelo fundo do poço e estamos entrando em um novo momento. 2017 ainda é um ano de ajustes, com desemprego alto, mas com reação, mesmo que moderada”, concluiu Abreu.

Distratos
O presidente da Abecip afirmou que no nível atual os distratos têm potencial para comprometer o balanço de incorporadoras e, consequentemente, a entrega de imóveis a clientes que desejam ficar com as unidades adquiridas. A entidade defende, segundo ele, que haja penalização para os clientes que distratarem com base no preço do imóvel, limitado ao pagamento já efetuado.

Uma outra possibilidade, de acordo com Abreu, é a multa com relação ao que já foi pago. Entretanto, segundo ele, há custos incidentes na venda dos imóveis e que são todos ligados ao valor de imóvel. “Os distratos geram hoje uma situação em que o empreendimento não tem recursos para ser concluído e ainda por cima quem distrata gera saída de caixa da construtora, colocando em risco a saúde do mercado”, avaliou o presidente da Abecip.

Ele destacou que a não solução da questão dos distratos pode gerar esqueletos na cidade e que a regulamentação das vendas vai no sentido de tornar o setor mais saudável. Questionado se as regras valeriam para vendas antigas, o especialista disse que a dor dos distratos já foi sentida pelo mercado e que é preciso torná-las claras para as novas vendas.

“O mercado precisa ser sadio, de modo que as garantias sejam honradas e a equação financeira preservada. Temos de proteger a saúde financeira das incorporadoras. Do contrário, corremos o risco de criar um mercado arriscado e que os bancos não vão financiar ou vão financiar a preços mais caros”, acrescentou Abreu.

Recuperação judicial
O setor de construção e de incorporação de imóveis ainda pode ser palco de mais pedidos de recuperações judiciais neste ano, de acordo com Gilberto Duarte de Abreu. “Incorporadoras estão com dificuldade. As companhias que estão endividadas, com estoques e não estão conseguindo ter vendas líquidas, conseguem segurar essa realidade só por mais um tempo”, explicou ele.

De acordo com Abreu, o cenário fica ainda mais complicado quando a construtora tem dívida corporativa. Ele disse que o ano de 2017 não será tão diferente para empresas que enfrentam dificuldades em seus balanços. “Desde 2014, 2015, algumas companhias já estavam com seus balanços comprometidos. 2017 não será diferente do que foi 2016, mas os bancos estão trabalhando junto a dívidas de incorporadoras ou quem está passando por uma recuperação judicial”, acrescentou.

O presidente da Abecip ponderou, porém, que o mercado já pratica juros mais baixos como reflexo da Selic, o que tende a beneficiar o setor imobiliário. Segundo ele, as taxas para o crédito imobiliário já caíram cerca de 1 ponto porcentual desde que os juros começaram a cair.

Sobre a letra garantida imobiliária (LIG), ele disse que a Abecip e o mercado já fizeram a lição de casa e que aguardam a regulamentação por parte do Banco Central. Ele não precisou, contudo, um prazo para a divulgação. No entanto, destacou para a necessidade de uma maior redução dos juros. “Mesmo com a regulamentação, com os juros atuais não teremos a LIG florescendo. Mas, no final de 2017, caso os juros caiam para 9,5%, será bastante interessante”, afirmou Abreu, acrescentando que a queda dos juros permitirá que a LIG, similar aos covered bonds, seja um instrumento não apenas local, mas também de captação externa.

Caixa só poderá financiar Minha Casa com FGTS mediante repasse

programa Minha Casa, Minha Vida

O Ministério das Cidades decidiu que a Caixa Econômica Federal está desautorizada a usar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para financiar a compra de imóveis pelo programa Minha Casa, Minha Vida sem repasse prévio de recursos.

“Fica a Caixa Econômica Federal desautorizada a utilizar, em contratações no âmbito do
Programa Minha Casa Minha Vida, as disponibilidades do FGTS, do FAR e do FDS, enquanto não constar no orçamento fiscal e da seguridade social, rubrica específica correspondente à contabilização dos adiantamentos concedidos a partir de disponibilidades dos referidos fundos”, diz a Instrução Normativa.

Obras do Minha Casa Minha Vida em Colatina (Foto: Marcelo Prest/ A Gazeta)

Apesar da nova instrução, o Ministério das Cidades disse em nota que a Caixa permanece financiando o programa Minha Casa Minha Vida por meio do FGTS, desde que haja recurso em caixa da União.

“Não há qualquer alteração no planejamento e no ritmo de contratação do Programa Minha Casa Minha Vida. Todas as modalidades, incluindo o FGTS, permanecem inalteradas. A Instrução Normativa n.º 24, publicada no Diário Oficial da União de hoje (26), consiste em orientação de procedimento à Caixa Econômica Federal para que, em não havendo repasse de recursos do OGU [Orçamento Geral da União] para contratação de novas operações do Programa Minha Casa Minha Vida, fique vedada a utilização de recursos do FGTS para suprir a cota de responsabilidade da União.”

A medida foi publicada na edição desta segunda-feira (26) do Diário Oficial da União, por meio de Instrução Normativa que entra agora em vigor e já é aplicada aos processos em curso.

O ministério explicou estar agindo “de forma preventiva” para que a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), que caracterizou este tipo de operação como empréstimo – as chamadas “pedaladas fiscais” –, seja cumprida e não gere custo extraorçamentário.